A OPOSIÇÃO PODERÁ TIRAR O PODER AO MPLA SIM , NÃO PELO VOTO

A OPOSIÇÃO PODERÁ TIRAR O PODER AO MPLA SIM , NÃO PELO VOTO , MAS SE SOUBER REAGIR Á FRAUDE ELEITORAL.

Pelo voto é uma grande aventura volto a repetir acreditar-se nesta possibilidade, pois desde o inicio que os dados estão todos viciados e outra coisa é que o regime não tem credibilidade e nunca mereceu confiança para organizar actos eleitorais sem manobras e vão fazer sempre o mesmo jogo sujo da batota, este é um dado certo.

A oposição não tem como travar seja qual for o tipo de batota que o regime queira praticar e seja em que acto for, pois o regime tem tudo do seu lado que acaba por legalizar a sua batota e uma oposição sem nada e pior com ( medo ) como vai fazer frente á quem não se importa matar para impor e fazer valer as suas pretensões?

O que adianta que o povo não vote no JES/MPLA , se este seu voto acaba sempre por ser manobrado e transformado em voto para o Partido no poder?

Contar com o povo sim , como única arma que a oposição ainda tem em suas mãos para tomar as ruas , sem medo de se morrer 100 ou 200 para se salvar milhões assim o regime pode cair sim.

Pois a oposição ja provou que tem um grande poder de mobilização e o regime por mais poderoso que seja não aquentaria a fúria popular e jamais conseguiram matar todos os angolanos juntos.

Quem transforma mortos em votantes , quem transforma mortos em vivos para os apresentar em estatísticas como forma criminosa de se roubar dinheiros dos cofres públicos e enganar ate instituições internacionais como pode merecer credibilidade?

Que façam um inquérito público sem o focinho sujo e criminoso do JES/MPLA e logo verão a grande porção de angolanos que não confia nos seus governantes e acredita na possibilidade clara de haver fraude eleitoral.


Texto : Fernando Vumby
Foto : Manuel Fernandes Cabral
A VERDADE DÓI , MAS SÓ ELE CURA !

A comunicação que José Marcos Mavungo apresentou ontem aos eurodeputados, em Bruxelas, teve como tema “Governação e dos Direitos Humanos em Angola.” Foi uma brilhante dissertação que todos os angolanos devem ler. No âmbito do serviço público que o Folha 8 presta, apresentamos aqui esse texto. Corremos, mais uma vez, o risco de sermos acusados de pôr em risco a segurança do Estado. Mesmo assim, queremos imaginar que Angola é o que não é: um Estado de Direito democrático.

“P ermitam-me desde já saudar e agradecer à eurodeputada da Subcomissão dos Direitos Humanos do Parlamento Europeu, Dra. Ana Gomes, por me ter convidado para expor neste lugar a situação da Governação e dos Direitos Humanos em Angola. Devo confessar que me sinto simultaneamente humilde e elevado por esta honra e privilégio.

Quando recebi este convite, decidi aceitá-lo em consciência porque achei que, enquanto activista dos Direitos Humanos e cidadão do mundo, faltaria ao meu dever ao não me pronunciar sobre assuntos que nos dizem respeito a todos, no quadro de uma assembleia tão importante como esta. É neste estado de espírito, de cidadão independente do político, que vos falarei abertamente do que se passa neste momento em Angola.

Quando os arquitectos do fim da Segunda Guerra Mundial redigiram as admiráveis e sábias palavras da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos povos, assinaram uma nota promissora para o futuro da humanidade. Nesta nota está bem patente o compromisso de que a todos os homens e povos deveriam ser garantidos os direitos inalienáveis da vida, liberdade, paz e desenvolvimento. E os governos, que hoje têm assento nas Nações Unidades, entre eles Angola, ratificaram esta Declaração.

Porém, é hoje óbvio que Angola, seria absurdo e irresponsável negá-lo, está a passar pela experiência duma vida sociopolítica em que o cidadão, na sua a participação na vida da “polis”, se confronta com um Estado autoritário. O país está exposto a “propósitos de rapina”, sustentados por um autoritarismo e despotismo feudal.

A classe política dominante reestruturou-se numa lógica de partido em que os militantes se converteram em «ghetto despótico económico»: criou-se um poderoso grupo fechado a que só têm acesso os magnatas do regime, que são os senhores absolutos do crédito, e por isso dispõem do sangue de que vive toda a economia nacional e de tal maneira a manejam, que ninguém pode respirar sem a sua licença. Os de fora são considerados como vassalos – limitam-se a servir os detentores do poder docilmente, como se fossem vassalos, e sem estatuto de cidadãos.

Por esta razão, as instituições em Angola funcionam bastante mal, e o país é conduzido por uma estranha lógica de governação, que ignora a dimensão humana do cidadão. A política económica caracteriza-se por um modelo de desenvolvimento que redistribui a riqueza para cima e para fora, sob o controlo da classe política dominante, acabando assim por ser instrumento de mais intensamente afligir os aflitos, os pobres.

Esta situação está estreitamente ligada aos quase 30 anos de guerra civil, que devastou as estruturas e o tecido social e económico do país, e ao conflito ainda reinante em Cabinda, que se inscreve no quadro do direito dos povos a disporem de si mesmos. A lógica da guerra estendeu-se no tempo, por todas estas quatro décadas, e estabeleceu-se uma forma de vida sociopolítica adaptada a ela.

Por isso, as instituições democráticas saídas há pouco da destruição e da guerra funcionam num meio hostil – a caminhada para a democracia e Estado de Direito encontra-se num empasse com posições defensivas e militaristas, ausência de transparência e da cultura da Lei e a existência de pretextos incoerentes para perseguir, prender e condenar activistas dos Direitos Humanos.

cabinda-activista

Além disso, as condições para eleições livres e justas não existem em Angola, sendo os detentores do poder os senhores absolutos, que controlam a administração e todo o dinheiro do país, manipulam a lei e os meios de comunicação social e erguem muros para conter as iniciativas cívicas dos cidadãos. Hoje em dia, a vontade da classe política dominante se institucionalizou no quotidiano, e a governação acabou por dar-se a um pragmatismo partidocrático, no qual justiça e injustiça são a mesma coisa, contanto que sirvam os interesses das individualidades e do partido no poder.

Portanto, a sobrevivência do partido no poder acabou por dar-se a qualquer custo, ainda que não seja conforme aos valores humanos e universais: assassinato, corrupção, fraude eleitoral, repressão e restrições para com os activistas dos direitos humanos e as populações autóctones, em especial em Cabinda, nas Lundas e no Gambos. Trata-se de uma pejada de injustiças e crimes inauditos, nos quais estão envolvidos até elementos das instituições da administração da justiça.

Cabinda é o mais célebre território, o pólo da ferocidade do despotismo reinante em Angola, com uma Governação própria a Estados colonizados de tipo feudal, que não permite aos Cabindas fazer qualquer reclamação ou organizar-se em associações de defesa dos direitos humanos, vigiados em todas as suas acções pelos agentes dos Serviços de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE) e pela Contra Inteligência Militar (GOISM) – sem direitos nem peso nas decisões sobre a sua terra, entre gritos e gemidos de dor, pobreza e doença, abuso de poder e clientelismo, corrupção e deficiência dos serviços administrativos, assassinatos e perseguições republicanas, detenções arbitrárias e julgamentos injustos.

Referindo apenas alguns exemplos típicos e flagrantes que vemos em Cabinda:

• Política fascizante e militarista que se fecha sobre si própria com um programa visando acabar com o conflito ainda reinante no território de Cabinda pela repressão e via armada. É assim que o crime tornou-se a forma por excelência da governação em Cabinda, cidadãos indefesos são vítimas de horrores e perversões comportamentais de elementos das Forças Armadas Angolanas (FAA) e da Polícia Nacional (PN).

Ao mesmo tempo, temos: o sistema judiciário muito débil, refém de instintos políticos e militares; os impedimentos à imprensa independente de instalar-se em Cabinda; os entraves aos jornalistas estrangeiros em visitar Cabinda; e os activistas dos Direitos Humanos a serem presos sob pretexto de atentarem contra a segurança do Estado. Deste modo, o regime jura fabricar a paz artificialmente, sem ingredientes necessários: sem valores humanos, sem Cidadania da Liberdade, e sem Justiça para o povo de Cabinda.

• Ausência de políticas e estratégias de desenvolvimento sustentável, descoordenação e anarquia nos programas de gestão dos recursos naturais do território e debilidade das infraestruturas sociais e económicas. Esta situação é agravada pela fragilidade da estrutura empresarial local que, descapitalizada por razões políticas, não consegue fazer face à competição das empresas das outras províncias e das multinacionais sediadas em Cabinda.

O desenvolvimento de Cabinda tão propalado pelo regime não passa de declaração de intenções. Declaração de intenções que fazem anúncio do dia em que as populações, em toda a extensão territorial de Cabinda, terão água, luz, gás, Porto de Águas Profundas, Parque Industrial, grandes centralidades e todos os cuidados preventivos, curativos e paliativos para conservar um estado de bem-estar físico, mental e social.

• A instabilidade laboral e social e a subsequente exclusão e miséria da vida das populações, trazidas pela busca egoísta da exploração desenfreada dos recursos naturais do território, refém de um feudalismo selvagem, desregulado, sem humanismo nem ética.

Sob inúmeras formas – aguda, violenta, surda, dilacerante, tenaz – o feudalismo em Cabinda reduziu as populações autóctones à uma pobreza abjecta, à dependência exótica, à indigência, com a mão sempre estendida nos dois Congos.

• A crise ambiental, não só como consequência da corrupção, da desgovernação e da falta de sentido de Estado, mas também como a resultante do modelo de exploração petrolífera, sem contrapartida para as populações locais. Esta crise começa a oferecer sinais claros de que estamos ultrapassando os limites de suportabilidade do espaço territorial, facto este visível no incremento de doenças como asma, bronquite, cancro, cólera, disenteria, gastroenterite, malária, febre tifóide, aumento de stress, ansiedade e nervosismo, dores de cabeça e de estômago, manchas e até cancro de pele.

Neste contexto, o território de Cabinda não tirará pleno partido dos seus enormes recursos e alcançará a paz e altos níveis de desenvolvimento enquanto não extirpar esta doença própria a um Estado colonizado de tipo feudal.
mavungo-ana1
É aqui na Europa que os interesses dos lóbis do Regime angolano têm vindo a estender os seus tentáculos. É aqui eles levam a cabo uma ofensiva visando a ofuscar a má governação e as atrocidades do regime “en place”, e a abafar as vozes dos activistas sociais que nestes últimos anos se levantam contra o actual profissionalismo político que legitima o crime em Angola.

É chegado o tempo de agir e de optar: sempre pela positiva. É chegado a hora de ajudar Angola a integrar o país na caminhada para desenvolver uma verdadeira democracia pluralista. Esta batalha não é só dos angolanos, nem é apenas das elites políticas do mundo. É batalha de todos os cidadãos do mundo.

Como não há um modelo único de Estado de Direito Democrático, atrevo-me a recomendar que toda ajuda à Angola deveria permitir aos angolanos e ao mundo sentir a organização do Estado funcionar na sua interacção e mudança contínuas, dando voz à todos os cidadãos, abordando sem tabus os actuais dilemas e conflitos, em especial o conflito ainda reinante em Cabinda, e posicionando-se cada vez mais no limiar da Transparência, Justiça, Fraternidade, Reconciliação e Dignidade Humana”.


Fonte : F8
SAMAKUVA CONFIADO NA VITÓRIA DA UNITA NAS ELEIÇÕES ?

A UNITA ganha as eleições este ano e em 2018 vamos ter eleições autárquicas" Isaías Samakuva in RTP África
Esta é a primeira promessa de grande impacto que o líder da UNITA faz este ano, pois todos sabemos que a nossa vida enquanto cidadãos só vai melhorar com a institucionalização das autarquias locais!!!

Se os cidadãos querem que efectivamente os seus problemas de água, luz, saneamento básico, ambiente, transporte público, ordenamento do território, protecção civil, policiamento municipal, etc sejam resolvidos com base nas atribuições que a Constituição confere às autarquias locais votando na UNITA terão isso a partir de 2018, votando no MPLA terão isso talvez só em 2021!!!
CHINA RECUSOU EMPRÉSTIMO Á ISABEL DOS SANTOS

China recusou empréstimo de 5 mil milhões USD pedido por Isabel dos Santos


A China rejeitou um pedido de empréstimo de 5 mil milhões de dólares feito pela presidente da Sonangol, Isabel dos Santos, que se deslocou àquele país para isso, disse hoje o economista Alves da Rocha.

"Houve uma tentativa de solicitar financiamento da China, com Isabel dos Santos a ir à China para isso, mas aparentemente não teve sucesso", disse o economista e diretor do CEIC -- Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica em Luanda.

Durante uma conferência sobre `Angola, desafios e oportunidades face às mudanças em curso`, que decorreu esta manhã em Lisboa, organizada pela AIP e pelo Africa Monitor Intelligence, Alves da Rocha inseriu este comentário durante a apresentação da sua preocupação sobre a evolução da dívida pública de Angola, que pode chegar a 80% do PIB este ano.

"A dívida pública externa é liderada pela China com linhas de crédito, a última foi de 9 mil milhões de dólares, e a interna tem sido subscrita pelos bancos e empresas de média e grande dimensão, e no final deste ano, a dívida pública pode chegar aos 80% do PIB, segundo o FMI, o que ultrapassa o limiar de 60% do PIB fixado na Constituição", disse o economista.

"Há dúvidas sobre este valor da dívida porque as contas do Governo não incluem a das empresas públicas, é apenas dívida administrativa, e quando as empresas públicas contraem dívida é o Estado que aparece como garante e avalista", acrescentou.

A Sonangol, a maior empresa pública angolana, está "em processo de reestruturação, e têm-se descoberto muitas situações inexplicáveis à luz dos processos contabilísticos normais; a dívida que a Sonangol não conseguiu cobrir estará à volta dos 10 mil milhões de dólares, e esta é dívida pública", vincou o diretor do CEIC.

Na apresentação, Alves da Rocha disse que a dívida pública só da companhia petrolífera angolana "pode ascender a 9 mil milhões de dólares, segundo declarações públicas".

LUSA
 | 
Google Translator:      
+++ HOT NEWS +++ HOT NEWS +++ HOT NEWS +++
POLÍTICA
OPINIÃO
SOCIEDADE
ACTUALIDADE
Massanga Savimbi reúniu-se com filha de Kwame Nkrumah
19 Janeiro
O Reverendo e Teólogo Antunes Huambo (também administrador de um município no Cuando Cubango) não passa de um barra botas
18 Janeiro
Arquivo Aberto ! Club-k na mira ?
19 Janeiro
Portugal: As suspeitas de desvios de fundos no sector de saúde da embaixada de Angola - Marcos Baptista
19 Janeiro
Bandida da governadora Candida Narciso falha na compra do secretário da UNITA no Saurimo
19 Janeiro
"Reverendo" Antunes Wambu: é caso para Reflexão! Reflexão e não Precipitação!
18 Janeiro
Boca do Lobo vivo na boca do Lobo - Por Paulo Flores
18 Janeiro
Roberto de Almeida internado
19 Janeiro
Delegação de peso da CASA-CE na tomada de posse de Trump
18 Janeiro
O zairense Sindica Dokolo genro de JES diz , que seu sogro podia ficar mais tempo no poder
18 Janeiro
Reverendo Antunes Huambo o senhor é uma FRAUDE!!!!!! Nem para Judas serve!!!!!
18 Janeiro
Efeitos da ditadura este compatriota está detido por protestar o mau atendimento de registo criminal :
19 Janeiro
Donald Trump revê política para África
18 Janeiro
O JES e o MPLA estão num beco sem saída, e estão a forçar muito a barra
18 Janeiro
Mais emprego para os jovens
17 Janeiro
Samakuva na tomada de posse de Trump
18 Janeiro
MPLA no Namibe prepara ex-Fapla para serem apresentsdos como rendidos provenientes da UNITA.
18 Janeiro
Como tudo em Angola, o conceito de Partido Político também precisa de ser revisto.
17 Janeiro
A Pura & Sexy elegancia da mulher africana
16 Janeiro
Angola: Movimento Protectorado Lunda Tchokwe denuncia perseguições
18 Janeiro
Os disparates de Bento Bembe
15 Janeiro
JES / MPLA , Para melhor reinar dividiu-nos entre obedientes e desobedientes !
16 Janeiro
Hoje é a cólera , mas todos os dias o que mata mesmo é o paludismo
16 Janeiro
Sindica Dakolo : Zairense taxa insultosamente angolanos de incompetentes !
17 Janeiro
 
Impressum